DIRCEU NETO|BRIO
DIRCEU NETO|BRIO

Vazio

Nelson explode a bomba abraçado a Neusa. Ela morre, ele não. Agora faz terapia, aguarda julgamento e sonha com a presença da mulher

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2015 | 16h00

Nas últimas duas edições, o Aliás publicou a história real de Nelson e Neusa Golla, um casal de São Paulo que, depois de 54 anos juntos, se viram desafiados por problemas da velhice. Vítima de dois AVCs, Neusa estava presa à cama de uma casa de repouso. Nelson, que a visitava todo dia, tomou uma atitude para acabar com aquele sofrimento: colocou uma bomba sobre o peito da mulher e deitou-se em cima, desejando que os dois morressem. Abaixo você lê o desfecho desta reportagem, que relata o que aconteceu após a explosão.

Sede - Primeira parte da reportagem

Tormento - Segunda parte da reportagem

Nelson sentiu no peito uma porrada forte e surda, que lhe pareceu o coice de um cavalo. “Morri”, ele pensou. Acreditou ter visto o outro lado. Caído no chão, em meio ao torpor, ele olhou ou imaginou olhar para a esposa. Pareceu-lhe que Neusa estava tranquila, com um sorriso nos lábios. Teve a impressão de que ela agora descansava. Notou que ela estava morta e suspirou. Finalmente. Tudo ficou escuro e ele não sabia se isso também era a morte ou se havia apenas fechado os olhos. Nelson talvez tenha desmaiado nesse momento. 

A polícia chegou em 10 minutos. O número incomum de viaturas (nove) era porque suspeitou-se de um atentado a tiros. Havia agentes com metralhadora e fuzil. Ao entrarem no quarto de número 03, os policiais viram um homem idoso caído, traços de pólvora no chão, uma cama deslocada de lugar e, sobre ela, uma senhora com um ferimento no peito. Os policiais verificaram que ela estava morta.

O idoso tinha “roupas chamuscadas, queimaduras no tórax e um sangramento no rosto”, como descreveram no boletim de ocorrência. Observaram também que as duas outras pacientes do quarto não tomaram conhecimento da explosão: Almerinda dormia e Luisita resmungava palavras ininteligíveis, como fazia naquele período da vida.

Os policiais perguntaram o seu nome, e Nelson entregou-lhes a chave do carro. O que havia no porta-luvas explicaria tudo.

A primeira ambulância chegou praticamente junto com o filho Nilson. Ele viu os paramédicos levarem o corpo da mãe. Depois atentou para o pai, deitado no chão. Nilson agachou-se ao seu lado.

- Pai, por que você fez isso?

Nelson ergueu os olhos para o filho. Seus ouvidos zumbiam. Começou a chorar.

- Desculpa, desculpa, desculpa. Deu errado. 

***

Por volta das 15h30 daquele domingo, dois policiais do 42º Distrito Policial encontraram, no porta-luvas do Celta vermelho, R$ 300, RG e CNH em nome de Nelson Irineu Golla, natural de São Paulo, 74 anos, casado. Havia também nove folhas de papel. O veículo estava parado na rua Lótus, no Parque São Lucas, zona leste de São Paulo, em frente à clínica Novo Lar.

Nas folhas manuscritas lê-se o seguinte:

1. Sei que para alguns vai ser considerado um ato de loucura. Mas cansado e preocupado com o meu futuro e o de minha esposa, dei um fim ao sofrimento de ambos. Que meus filhos me perdoem, mas será um descanso para todos. Desculpem o trabalho que vou dar, mas isso é necessário. Sabedor de que nem eu nem ela temos recuperação, que Deus receba de braços abertos a companheira querida, e que me perdoe. Eu, Nelson Irineu Golla, e Neusa Maria Golla fomos muito felizes. Lembrem-se de nós nos momentos de alegria. Adeus.

2. Dê baixa no nosso benefício INSS. Senão os juros para vocês serão desastrosos. (...)

3. Nilson, Nilma, Jr, vocês já são bastante grandes e eu ando nervoso e discutindo por qualquer coisa. Me perdoem, pois a única coisa que eu mais quis foi o bem e a felicidade de vocês. (...)

4. A minha família que sempre me apoiou, aceitem as minhas desculpas. Sou muito emotivo (chorão) e não consigo expressar os sentimentos. Façam muitas amizades, para não ter uma velhice solitária.

O que fazer com pai e mãe com problemas irrecuperáveis? Sofrimento para os filhos e os próprios pais. Afora o tempo que é desperdiçado tentando ajudar. É triste no princípio, mas no futuro vocês verão que foi a melhor e mais corajosa decisão. (...)

A Casa de Repouso Novo Lar, me perdoe, mas não pude mais suportar o estado que aconteceu à minha querida esposa Neusa. Isso que eu fiz é simplesmente uma eutanásia. Mais uma vez, o meu sincero apreço a todos que sempre me trataram muito bem. 

Se possível cremem os dois corpos. Sua mãe sempre desejou ser cremada.

***

Na ambulância, Nelson recebeu uma injeção de morfina e apagou. Quando acordou, já no quarto 209 do Hospital Estadual Sapopemba, ele notou que um lençol apertado o retinha à cama. Tentou se livrar e percebeu uma algema no pulso direito, presa ao leito. Olhou em volta e viu dois policiais. Nelson pensou na mulher. Olhou para a janela, que parecia trancada.

Ele sentiu um inchaço no pescoço. Tinha um curativo no peito. Ao jogar-se em cima da esposa, sua intenção era que o explosivo atingisse o seu coração e o coração de Neusa. Mas conseguiu só a metade. Nelson quis arrebentar a janela com uma cabeçada - por que não? Pensou em quebrar o espelho do banheiro e usar os cacos para terminar o que começou. Sob efeito da morfina, dormiu.

Ele sentia vergonha por ainda estar ali. Planejara mal. Seu peso sobre Neusa teria direcionado a explosão para ela, ao mesmo tempo em que o lançara para longe. Seria isso? O maldito braço ruim tampouco ajudou: Nelson não foi capaz de abraçar a esposa com força - se tivesse conseguido apertar-se junto a ela, seu corpo teria absorvido mais da bomba? Nelson entrou no hospital, segundo sua ficha, com “traumatismo torácico, contusão no pulmão e queimaduras de segundo grau na porção esquerda do peito e no pescoço”.

Neusa recebeu impacto maior: “fraturas em arcos costais e osso esterno; ferida lácero-contusa no coração; laceração do pericárdio; contusões pulmonares direita e esquerda; hemotórax à esquerda”, conforme o laudo necroscópico do IML Leste. “Traumatismo cardíaco” foi a causa da morte, segundo o legista. 

Mais tarde, quando sentia culpa, Nelson tentava se aliviar com um pensamento: não foi a explosão. A esposa estava tão fraca que só o estouro já teria sido suficiente para que ela “morresse na hora”. Em sua mente, Neusa nem havia sentido.

***

Nelson teria ainda de lidar com um fato novo: o policial de plantão não o deixava esquecer que, agora, era um criminoso. Ele foi acusado de homicídio qualificado com “emprego de meio insidioso ou cruel”, que traz “perigo à vida de outrem” e deveria ser preso “tão logo receba alta médica”, como determinou a delegada Virginia Campos, do 42º DP. Para a lei, ele não passava de um assassino. A pena prevista era de até 20 anos de cadeia.

Quando o caso chegou à Justiça, em 29 de setembro de 2014, dia seguinte à morte de Neusa, a prisão em flagrante de Nelson foi convertida em prisão preventiva. Assim que saísse do hospital, seria levado à cadeia. Esperaria detido até ser julgado.

Por uma indicação de familiares, os advogados Ivan Tozzi e Audalécio Oliveira assumiram o caso e, de imediato, fizeram um prognóstico: havia chances de Nelson responder o processo em liberdade, mas seria preciso mostrar que suas ações eram pelo bem de Neusa, para abreviar um sofrimento que ele julgava insuportável. Seria preciso produzir, como eles disseram, um “atestado de amor”. Teria de ser rápido.

***

Neusa foi enterrada no cemitério da Vila Alpina, a 10 minutos a pé da casa dos Golla, às 8h30 de terça-feira, 30 de setembro de 2014. Os netos não queriam olhar para a avó, pois não sabiam como ela estaria após a explosão. Depois de Nilma prometer que a mãe estava “bem natural e sem maquiagem, como sempre”, eles entraram para se despedir. Entre as mãos da avó havia uma foto dela com Nelson, abraçados, na cozinha de casa.

Como Nilma passou a dizer, “junto com a mãe ela enterrou o luto”, pois agora tinha de pensar na situação do pai. Seria ela a responsável por correr atrás de quem pudesse atestar o bom relacionamento do casal. No fim, Nilma reuniu 17 cartas manuscritas - inclusive do pároco da igreja e da dona da casa de repouso -, que foram repassadas aos advogados. Uma delas era de José, Plácido e Jair de Oliveira, os irmãos de Neusa. 

Nelson sempre demonstrou ser uma pessoa de bom caráter, bom pai e esposo. Conhecemos Nelson há mais de 40 anos e nunca foi observado nenhum comportamento que o desabonasse. Tendo em vista o fato de nossa irmã Neusa ter passado por problemas que a impossibilitaram física e mentalmente, e que o seu sofrimento só aumentava, entendemos o comportamento do seu esposo. Frente ao seu passado de bom marido, bom pai e bom amigo, o sr. Nelson continuará sendo de nossa alta estima e amigo e continuará recebendo o nosso apoio e amizade.

***

A rapidez com que o caso se desenrolou a partir daí surpreendeu os advogados. Eles enviaram as cartas na sexta-feira, 3 de outubro de 2014, e, logo na segunda, a juíza Marcela Raia de Sant’anna proferiu seu despacho: revogou a prisão preventiva, por considerar que Nelson não apresentava risco ao processo. No mesmo dia foi publicado seu alvará de soltura. 

***

A alta do hospital veio no dia seguinte, mas os médicos advertiram que Nelson precisaria de acompanhamento integral, uma praxe após tentativas de suicídio. O melhor seria levá-lo a uma clínica psiquiátrica. “Já que todos pensam que sou louco, vou lá com os outros loucos pra ver se me encontro”, ele reagiu.

Na clínica Vera Cruz, no Jaçanã, zona norte de São Paulo, Nelson teve tempo de refletir sobre o que fez. Sentia falta de Neusa, pensava nela o tempo todo, mas não se arrependia. Era um alívio não acompanhar mais a queda da mulher. Como escrevera na carta de suicídio, acreditava ter realizado uma eutanásia - quando há consentimento com a pessoa que vai morrer.

Nelson falou bastante desse assunto na Vera Cruz, em consultas diárias com psicólogos. Seu entendimento de eutanásia, basicamente, era evitar um sofrimento que considerava desnecessário. “Era uma judiação. Você vê que eram pessoas que não tinham mais conserto. Ficam vegetando lá. Dava dó! Você pode até ser contra a eutanásia, mas basta ir num asilo para mudar de opinião. A não ser que vá só uma vez. Mas se for todos os dias você muda de opinião.”

Ao tomar sua decisão, Nelson disse ter pensado nos pedidos feitos por Neusa meses antes, quando ainda podia falar. Ela dizia “quero morrer” e aquilo não lhe saía da cabeça. Depois que tudo acabou, Nelson disse aos filhos e aos advogados que Neusa sabia do que ele planejava. Foi também o que disse a mim. Não era um plano fechado, com data e hora para acontecer. Mas ele havia dito à mulher que a tiraria dali. Conversava com ela sobre isso. Neusa já não falava, mas ele acreditou que ela entendia. Após mais de meio século juntos, como não entenderia? Ele considerou que aquele também era um desejo dela. Só não foi mais enfático, não criou um “pacto” porque nem ele próprio tinha certeza de que a coragem viria.

Legalmente, não faz diferença a Nelson se o que ele fez foi ou não foi eutanásia, pois essa prática é crime no Brasil (enquadrada como homicídio) e considerada antiética pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Há um entendimento no CFM, porém, de que histórias como a de Nelson reforçam a necessidade de discutir o tema no país. 

***

A enfermeira Luciane estava no pátio da clínica no domingo da morte de Neusa, sentada a menos de três metros da janela do quarto número 03. Ela disse à polícia que, até a explosão, não ouviu som algum. Nem os resmungos ou gritos que Neusa emitia quando sentia dor. Luciane acredita que ela sabia dos planos do marido. “Imagina você em uma cama, vem uma pessoa e põe uma bomba no seu peito. Você não reage? Ela conseguia gritar, mas não gritou. Então acho que ela queria isso. Se não, a defesa dela seria o grito. Mas estava um silêncio total. Só escutei o estouro. Aquele estrondo horrível.”

***

Encontrei-me com Nelson pela primeira vez na noite de 4 de fevereiro de 2015, uma quarta-feira, após meses de contatos com seus filhos. Fazia um mês e meio que ele voltara à casa. Sempre sentado no sofá da sala, escutei-o contar sua história. “Ainda antes de casar, a gente já tinha a intenção de construir uma família, comprar uma casa. Já tinha o nome do primeiro filho antes de casar! Você fica enraizado, eu já não tinha como viver sem ela”, ele disse. Prosseguiu emocionado: “Fiz o que eu achava melhor para ela. Arrependido não estou. Porque ela já estava sofrendo muito. E o ser humano não foi feito para isso, foi feito para viver feliz, trabalhar, passear, brincar. A Neusa, coitada… Ela falava pra mim: ‘Não aguento mais’. Ela queria vir pra casa. Não queria ficar na clínica, coitada. E não tinha mais jeito.”

***

No Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, onde tramita o processo de Nelson, o caso ficou conhecido como “Romeu e Julieta da terceira idade”. Para o defensor público Ivan Laino, que assumiu a defesa, Nelson já está pagando sua pena: vive sem a mulher com quem foi casado durante 47 anos. “Foi por piedade, e não por crueldade. Basta conhecer a história para se convencer”, disse Laino. Ainda não há data para o julgamento, que será por júri popular. A primeira audiência está marcada para 16 de novembro. Não há no processo quem se posicione contra Nelson - nem a clínica Novo Lar, nem os familiares de Almerinda e Luisita, nem os irmãos de Neusa, partes que poderiam acusá-lo, estão dispostas a isso.

***

À medida que nos encontrávamos, as falas de Nelson ficavam mais positivas. “Preciso fazer algo da vida, não posso ficar aqui parado”, ele desabafou a Luciana, namorada do filho Junior, em fevereiro deste ano. A família o incumbiu das tarefas da casa: as compras e o preparo das refeições, por exemplo, são agora responsabilidade sua.

Ele também começou a participar de sessões de terapia no centro de convivência do parque em frente à sua casa. Comparece duas vezes por semana - queria ir todo dia, mas a atendente explicou que não era possível, havia mais gente na fila. Há também aulas de dança nesse centro e, outro dia, uma senhora perguntou se ele aceitava acompanhá-la. Nelson agradeceu e contou uma história. “Minha esposa, Neusa, gostava de dançar. Ela dançava muito bem. Aí começamos a namorar e, dali em diante, ela nunca mais dançou. Por minha causa. Eu brincava que um dia ela me ensinaria a dançar. A gente se arrepende de tanta coisa que não fez... Mas então eu não posso. Seria um desrespeito aprender agora.”

Até aqui, Nelson não voltou a dormir no quarto do casal. Prefere adormecer no sofá, com a TV ligada. O filho Junior apareceu um dia com a ideia de vender a casa e se mudarem para o interior. O pai disse que “teria que ver”. Mas o que ele pensou foi que não mudaria daquela casa de jeito nenhum. Lutou muito para construir o sobradão de três andares onde viviam há décadas e não o abandonaria jamais.

Nelson ainda esperava, afinal, que sua esposa um dia aparecesse a ele. “Ela pode ficar perdida se quiser voltar e eu não estiver nessa casa. Até aqui, com certeza, ela sabe chegar.” No dia em que Neusa aparecer, ele pensou, ela saberá onde encontrá-lo. Talvez ele esteja na cozinha, preparando a comida. Talvez esteja no sofá, dormindo sentado. Pode ser que ele desperte de súbito, meio assustado, pois ultimamente é assim que tem sido. Ele logo vai perceber. Ficará feliz por acordar novamente ao seu lado.

NA WEB

Leia a íntegra desta reportagem, que está sendo publicada em conjunto com o site Brio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.